Para receber as principais informações do dia pelo WhatsApp entre no grupo do Portal Nosso Dia clicando aqui.

PUBLICIDADE

Um jovem de 21 anos foi preso, no começo da noite desta segunda-feira (19), suspeito de ajudar e organizar o atentado cometido por outro rapaz, também de 21 anos, detido logo após o crime, que aconteceu na manhã de hoje em Cambé, no Norte do Paraná. As investigações da Polícia Civil estão em andamento e mais detalhes devem ser passados nos próximos dias. O atentado matou uma estudante de 17 e feriu outro de 16.

Em entrevista logo após o crime, na tarde desta segunda-feira (19), o secretário de Segurança Pública do Paraná, Hudson Teixeira, afirmou que o autor do atentado não conhecia a vítimas. Ele era um ex-aluno da escola, de 21 anos, que terminou o ensino no local em 2014.

"Ele afirmou que não tinha qualquer vínculo com o casal, que não conhecia eles", afirmou o secretário, confirmando que o crime possivelmente foi premeditado. "Entrou na escola com o pretexto de conseguir o histórico e foi atendido pela secretaria. Foi ao banheiro e trocou de roupa, onde saiu com a arma e atirou no corredor, atingindo estudantes em Educação Física, onde estavam a menina e o outro rapaz", descreveu.

PUBLICIDADE

Conforme o secretário, foi apurado que o atirador tinha diagnóstico de esquizofrenia. "A PM chegou em 3 minutos e fez a prisão dele. Ele sofre de esquizofrenia e havia anotações na casa dele que foram apreendidas e será feita a investigação", disse Hudson.

Casal de namorados

Baleados no atentado desta segunda-feira, a estudante Karoline Verri Alves, de 17 anos, e o adolescente Luan Augusto, de 16, eram namorados. Karoline morreu e Luan foi socorrido em estado gravíssimo ao hospital com um tiro na cabeça.

Karoline morreu e o namorado foi baleado (Foto: Reprodução)

Por meio das redes sociais, o governador do Paraná, Carlos Massa Ratinho Junior (PSD), considerou a tragédia como crime bárbaro. "A violência do brutal ataque em uma escola estadual em Cambé causa indignação e pesar. O assassino foi preso, será julgado e condenado pelo crime bárbaro que cometeu", publicou.

Segundo o governador Ratinho Junior, um professor que imobilizou o autor do atentado passou por um treinamento sobre como atuar em situações parecidas como essa. "Estamos aguardando a investigação para ver o que ocorreu. O professor que imobilizou esse ex-aluno passou por um treinamento recentemente, e as forças policiais chegaram em apenas três minutos ao colégio depois do acionamento, o que evitou uma tragédia ainda maior", disse o governador, que decretou luto oficial de três dias no Estado.

PUBLICIDADE