Antes mesmo de a bola rolar, o enredo parecia desenhado para uma disputa de pênaltis no Allianz Parque. Palmeiras e Boca Juniors fizeram um duelo equilibrado contando os dois jogos da semifinal. Nesta quinta-feira, prevaleceu o empate por 1 a 1 no tempo regulamentar. Nas penalidades, levou a melhor quem tinha o goleiro pegador de pênaltis. Romero fez a diferença do começo ao fim e levou o Boca à final da Libertadores. O jogo com o Fluminense acontece no dia 4 de novembro, no Maracanã. Ao Palmeiras, resta o Campeonato Brasileiro.

PUBLICIDADE

Abel escolheu começar o duelo com o Boca com os mesmos 11 jogadores do empate sem gols na Bombonera. A principal diferença tática foi que Mayke atuou mais aberto na ponta direita. Nos primeiros minutos, o Palmeiras tomou conta da posse de bola e acuou os argentinos. Apesar do clima de apoio alviverde nas arquibancadas, o jogo ficou morno em seu início, como queria o Boca. O conjunto de Buenos Aires tentou a todo instante atrasar os reinícios de jogo, promovendo a famosa "cera".

O Palmeiras encontrou dificuldades na movimentação ofensiva, mesmo sendo mais valente do que no jogo de ida. O Boca foi ao Allianz para se defender e jogar por uma bola. E foi assim que conseguiu inaugurar o marcador aos 22 minutos. Em uma falha de marcação dos donos da casa, Merentiel escapou pela ponta e encontrou Cavani na pequena área. O uruguaio só teve o trabalho de se esticar para marcar o primeiro.

Os torcedores palmeirenses e os comandados de Abel sentiram o gol, enquanto o Boca entendeu que o lado direito da defesa do Palmeiras era o mais frágil e por ali deveria construir suas jogadas. Aos poucos, o time da casa foi se reencontrando no jogo e criando oportunidades. Gabriel Menino insistiu em chutes de longa distância, Rony tentou bicicleta e, no lance seguinte, cabeceio. Sem sucesso.

PUBLICIDADE

O Palmeiras teve um primeiro tempo sonolento, e o Boca foi eficiente. Na única bola em que não se podia cochilar, a zaga alviverde dormiu. Nos últimos jogos, a grande área adversária tem sido como uma sala trancada a sete chaves à qual o Palmeiras não consegue ter acesso. O time ronda a área, mas não encontra espaço para se infiltrar e fazer o goleiro trabalhar.

No retorno do intervalo, Abel fez o que deveria ter feito há muito tempo. O português colocou os garotos Endrick e Kevin em campo nos lugares de Artur e Marcos Rocha. As mudanças tornaram o Palmeiras mais perigoso. A ousadia dos jovens fez a arquibancada despertar e o Boca se preocupar. Almirón tirou o atacante Merentiel e colocou mais um zagueiro em campo, Valdez.

Mayke e Zé Rafael criaram as primeiras boas chances do Palmeiras no segundo tempo, graças à determinação de Endrick. A arbitragem foi um capítulo à parte e ouviu vaias do começo ao fim por não marcar algumas faltas a favor do lado alviverde e por permitir a cera argentina. Mesmo assim, aos 22, o zagueiro Rojo foi expulso após levar o segundo amarelo. O ambiente passou a conspirar a favor do Palmeiras.

Com o empurrão das arquibancadas e em maioria no gramado, o Palmeiras foi buscar o empate. Romero fez grande defesa e o gol amadureceu até que Piquerez acertou um chute ímpar de fora da área e fez a festa da torcida palmeirense no Allianz Parque, aos 28.

PUBLICIDADE

Com o empate, Abel lançou o time ainda mais ao ataque. O setor ofensivo do Palmeiras ficou com cinco atacantes: Rony, Endrick, López, Luís Guilherme e Kevin. A única alternativa para o Boca foi cozinhar o jogo e tentar empurrar a decisão para os pênaltis A tensão cresceu na partida, com entradas mais ríspidas e discussões de parte a parte. Rony conseguiu encaixar o movimento perfeito de bicicleta nos acréscimos, mas Romero fez sua parte em uma defesa impressionante. Cavani também teve uma chance em seus pés, mas chutou fraco e facilitou para Weverton. A decisão foi para as penalidades máximas.

Weverton pegou a cobrança de Cavani, mas Veiga e Gómez pararam em Romero e viram o Boca ficar com a vaga na final da Libertadores.

O próximo compromisso do Palmeiras está agendado para o domingo. Às 16h, na Arena Barueri, a equipe de Abel Ferreira encara o clássico com o Santos. Após duas derrotas seguidas para rivais diretos do topo da tabela, a equipe alviverde precisa da vitória para se manter na briga pelo título do Brasileirão.

FICHA TÉCNICA

PUBLICIDADE

PALMEIRAS 1 (2) X 1 (4) BOCA JUNIORS

PALMEIRAS - Weverton; Marcos Rocha (Kevin), Gómez, Murilo e Piquerez; Zé Rafael (Fabinho), Gabriel Menino (Flaco López) e Raphael Veiga; Mayke (Luís Guilherme), Artur (Endrick) e Rony. Técnico: Abel Ferreira.

BOCA JUNIORS - Romero; Advíncula, Figal, Rojo e Fabra (Saracchi); Medina, Pol Fernández, Equi Fernández e Barco (Valentini); Merentiel (Valdez) e Cavani. Técnico: Jorge Almirón

GOLS - Cavani, aos 22 minutos do primeiro tempo; Piquerez, aos 28 do segundo tempo.

PUBLICIDADE

CARTÕES AMARELOS - Endrick, Veiga, Rony, Gómez, Figal, Equi Fernández, Medina, Almirón, Romero e Fabra.

CARTÃO VERMELHO - Rojo.

ÁRBITRO - Andrés Matonte (URU).

PÚBLICO - 40.398 torcedores.

PUBLICIDADE

RENDA - R$ 4.974.909,22.

LOCAL - Allianz Parque, em São Paulo (SP).