Para receber as principais informações do dia pelo WhatsApp entre no grupo do Portal Nosso Dia clicando aqui. Siga o Nosso Dia no InstagramFacebook e Twitter

PUBLICIDADE

A Federação das Indústrias do Paraná (Fiep) enviou ofício ao Tribunal de Contas da União (TCU) e à Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) cobrando esclarecimentos e providências em relação a problemas identificados no novo programa de pedágios do Paraná após o início da operação das concessionárias nos dois primeiros lotes. Entre os principais pontos levantados pela Fiep está o início da cobrança das tarifas poucos dias após a assinatura dos contratos, sem a realização de trabalhos iniciais mais consistentes nas estradas. A entidade também questiona os episódios de formação de longas filas em algumas praças, a forma como está sendo ofertada internet nas rodovias e, principalmente, a necessidade de criação de Comissões Tripartites para fiscalizar a execução dos contratos.

O Portal Nosso Dia entrou contato com as concessionárias Via Araucária e EPR Litoral Pioneiro sobre as reclamações da Fiep. A EPR Litoral Pioneiro, responsável pelo lote 2 do pedágio, encaminhou o seguinte retorno: A EPR Litoral Pioneiro está cumprindo o que prevê os termos do contrato de concessão, com a realização dos serviços dentro dos prazos determinados.

Já a Via Araucária encaminhou o seguinte posicionamento:

PUBLICIDADE

A Via Araucária esclarece que, desde a assinatura do contrato de concessão em 28 de fevereiro de 2024, tem cumprido todos os requisitos e prazos estabelecidos pelo órgão regulamentador nas rodovias que administra (BRs-277, 373, 376 e 476 e PRs-418, 423 e 427). Inclusive, no caso das vias estaduais, a concessionária antecipou a operação em seis meses para atender de forma isonômica todos os trechos.

Destaca ainda que, desde o início, tem atuado nos trabalhos iniciais com o objetivo de elevar o patamar das vias. Desta forma, já foi realizada a restauração de quase 400 quilômetros de pavimento; 17.063 metros de elementos de proteção e segurança; 38.072 unidades de sinalização horizontal (tachões) e 53.802 m² de sinalização horizontal (pintura); 1.336 quilômetros de roçada; 49.957 metros de limpeza de drenagem; remoção de 181 toneladas de resíduos; recuperação de 2.646 metros de drenagem, além de 20 pontos críticos de erosão recuperados e quase 10 mil buracos tampados. Tais serviços têm previsão de finalização, conforme contrato, em até 12 meses.

Com relação às demandas operacionais, a Via Araucária informa que as atividades nas praças de pedágio estão adequadas aos padrões contratuais e, desde o feriado de Páscoa, não houve registro de percalços nos trabalhos. Quanto aos atendimentos, já foram realizados mais de 5 mil socorros mecânicos, 841 socorros médicos, 541 ocorrências com animais, 122 incêndios e mais de 3 mil outros atendimentos.

Pedido à ANTT

Assinado pelo presidente da Fiep, Edson Vasconcelos, o documento destaca que as concessões são de fundamental importância para o setor industrial e para a sociedade paranaenses. "As condições de escoamento da produção influenciam diretamente a indústria paranaense, e o transporte rodoviário é o principal modal utilizado no Estado para tanto. É de máximo interesse da indústria paranaense, portanto, acompanhar a concepção e a execução dos contratos de pedágio celebrados no Estado, a fim de que as tarifas revertam em serviços e obras correspondentes, especialmente considerando a magnitude do novo programa de concessão do Paraná, que abrange as principais rodovias que cortam o Estado", relata o ofício.

PUBLICIDADE

A Fiep afirma, ainda, que o tema aumenta de importância devido ao histórico dos contratos de pedágio no Paraná. "O último programa de concessões rodoviárias do Paraná – o chamado Anel de Integração, que vigorou de 1997 a 2021 – foi marcado por contratos que acabaram sendo deturpados ao longo do tempo por sucessivos aditivos, resultando no corte ou adiamento de investimentos, de um lado, e na continuidade do aumento das tarifas, de outro", diz o texto. "Para evitar que esse cenário se repita em prejuízo à população paranaense, é fundamental manter acompanhamento firme sobre a execução contratual desde o início de vigência dos novos instrumentos", completa.

Início da cobrança

O primeiro ponto sobre o qual a Fiep pede esclarecimentos diz respeito ao início da cobrança pelas empresas que venceram as licitações dos dois primeiros lotes que compõem o programa. A entidade lembra que os contratos com a Via Araucária e a EPR Litoral Pioneiro foram assinados em 30 de janeiro, e as empresas assumiram formalmente a operação das rodovias em 28 de fevereiro. Apenas 24 dias depois disso, as concessionárias já iniciaram a cobrança de pedágio, após autorizações da agência reguladora.

"Embora a ANTT tenha autorizado a cobrança do pedágio após atestar a capacidade das concessionárias para a operação do sistema rodoviário, a agência não expôs quais critérios considerou preenchidos para tanto, o que impede verificar a regularidade da decisão", questiona a Fiep, lembrando que, em outros contratos celebrados pela ANTT, a agência especificou e exigiu das concessionárias a realização de obras e serviços que garantissem um padrão mínimo de segurança e conforto aos usuários antes do início da cobrança de pedágio.

PUBLICIDADE

De acordo com a Fiep, essa previsão também existe nos contratos dos lotes 1 e 2 das concessões do Paraná, incluindo a necessidade de trabalhos substanciais nas rodovias e o atingimento de ao menos 87 parâmetros de desempenho. "No entanto, a ANTT resolveu não condicionar o início da cobrança das tarifas nos contratos paranaenses à finalização deste conjunto de obras e serviços preliminares – exceto no caso de 'novas praças de pedágio'".

Essa distinção entre as praças novas e as já existentes, que acontece no contrato do lote 2, é outro ponto questionado pela Fiep. "Considerando que não houve continuidade entre os contratos de pedágio antigos e novos – que foram firmados entre signatários distintos (inclusive na posição de contratante, já que o Poder concedente foi o Estado do Paraná, no primeiro caso, e a ANTT, no segundo) e tendo se passado mais dois anos entre o fim dos contratos antigos e o início dos novos –, como atribuir repercussão jurídica a esta distinção?", pergunta a Federação.

Filas em São Luiz do Purunã

A Fiep também pede esclarecimentos e providências da ANTT e do TCU em relação às longas filas que têm sido registradas especialmente na praça de pedágio de São Luiz do Purunã, na BR-277, trecho pertencente ao lote 1 de concessão.

PUBLICIDADE

A Federação lembra que os contratos estabelecem que as filas não podem ultrapassar o limite de 200 metros em dias normais e de 400 metros em vésperas e nos feriados, fins de semana e em caso de "eventos notáveis", apuradas durante 15 minutos. "Caso os limites sejam ultrapassados, a passagem dos veículos deve ser liberada. Note-se que a cláusula exige a demarcação das distâncias máximas nas rodovias. Os contratos ainda obrigam que as distâncias máximas para as filas sejam filmadas em tempo real, e que as imagens sejam disponibilizadas para a ANTT", afirma o ofício.

O texto diz que a própria ANTT teria instaurado procedimento para apurar o ocorrido, mas não se tem notícia da aplicação de sanções às concessionárias. "A propósito, nesse assunto, pode-se estar diante de outro defeito regulatório, já que, aparentemente, não há nos contratos dispositivo específico que sancione o descumprimento da regra das filas máximas", acrescenta.

Wi-Fi nas rodovias

A Fiep aponta, também, que alguns benefícios anunciados durante a apresentação do novo modelo de pedágios acabaram não sendo previstos nos contratos da forma esperada. Entre eles, o oferecimento de acesso à internet sem fio gratuito em todas as rodovias pedagiadas, "que foi anunciado como um grande atrativo das concessões paranaenses e, propositadamente ou não, pode ter confundido muita gente", diz o ofício.

PUBLICIDADE

Isso porque, segundo levantado pela Fiep, os contratos dos lotes 1 e 2 mostram que o serviço se limita à conexão com a própria concessionária, e ainda tem um prazo de 36 meses para ser efetivado. A entidade pede que, "para que esse tipo de situação, que certamente gera frustração entre os usuários, não mais ocorra", a ANTT seja mais clara na divulgação dos benefícios esperados com as concessões.

Monitoramento dos contratos

Por fim, um ponto considerado fundamental pela Fiep é a formação de comissões tripartites – compostas por representantes do Poder concedente, concessionária e usuários – para acompanhar e fiscalizar a execução dos contratos. Prevista por lei, a existência das comissões também está contemplada nos contratos de concessão dos dois primeiros lotes do novo programa do Paraná.

"Até o presente momento, contudo, não houve a formação das comissões tripartires para os lotes 1 e 2, o que viola a legislação, os atos regulamentares e o próprio contrato e priva a população de mecanismo fundamental de acompanhamento das concessões", afirma a Federação. "A formação das comissões tripartites, a propósito, se já tivesse acontecido, talvez tivesse servido para evitar alguns dos problemas apontados neste requerimento", completa.

PUBLICIDADE

Providências

Diante de todos os pontos levantados no documento, a Fiep pede uma série de esclarecimentos e providências ao TCU e à ANTT, com o objetivo principal de verificação da regularidade das deliberações realizadas até o momento nas concessões paranaenses. E que, em caso de apuração de desconformidade ou irregularidade, sejam adotadas as "providências cabíveis, tanto para os contratos já firmados dos lotes 1 e 2, quanto para os futuros contratos dos lotes 3, 4, 5 e 6".

*Com informações da FIEP